alunos-passam-mal-evento

Estudantes, professores e funcionários passaram mal durante o Seminário Territorial de Educação Profissional e Tecnológica, na terça-feira (17), em Vitória da Conquista, no sudoeste do estado. Ao todo, 32 pessoas foram internadas por suspeita de intoxicação alimentar. Não houve cancelamento de atividades.Em nota, a Secretaria Municipal de Saúde, por meio da Vigilância Sanitária, informou que, assim que foi acionada, a equipe técnica foi até o local, fez a inspeção e averiguou a situação ocorrida. O local foi notificado e ainda está sendo feita a investigação. O relatório técnico final está previsto para ser concluído na manhã de sexta-feira (20). Segundo a Secretaria da Educação do Estado da Bahia (SEC), os alimentos servidos no seminário foram conservados adequadamente e preparados seguindo todos os procedimentos de manipulação e higiene. As autoridades sanitárias vistoriaram o local e não apontaram qualquer irregularidade. As pessoas que relataram mal-estar na terça-feira (17) foram encaminhadas para a Unidade de Pronto Atendimento (UPA). Após medicados, todos foram liberados. Representantes da SEC continuam acompanhando os estudantes para prestar a assistência necessária. A Secretaria Municipal de Comunicação (SECOM) informou que uma investigação está em andamento para concluir um relatório técnico. A Prefeitura de Conquista emitiu nota sobre o caso. De acordo com o comunicado, a equipe de Vigilância realizou uma inspeção no local, mas não encontrou alimentos para coleta e notou a ausência da Fiscalização Integrada Preventiva (FIP), que deveria ser solicitada antes de qualquer evento.

Confira a nota na íntegra: A Vigilância Sanitária (Visa) de Vitória da Conquista informa que foi acionada pela Coordenação de Vigilância Nutricional para averiguar uma situação ocorrida no evento Seminários Territoriais de Educação Profissional e Tecnológica, realizado pela Secretaria Estadual de Educação, no Centro Territorial de Educação (Cetep), quando 32 pessoas foram encaminhadas à UPA com sintomas de intoxicação alimentar, relatando ter consumido alimentos durante o evento. A equipe de Vigilância foi ao local fazer a inspeção, mas não encontrou nenhum alimento para coleta e constatou a ausência da Fiscalização Integrada Preventiva (FIP), que deve ser solicitada ao órgão antes da realização de qualquer evento. Tanto o espaço, que possuía quatro pontos de alimentação, quanto a empresa contratada para o buffet apresentavam inconformidades sanitárias. Outro agravante foi a exposição de alimentos em 156 estandes, que, de acordo com a investigação, foram produzidos em outras cidades e em residências. Como as informações do Sistema de Notificação Nacional (Sinan) não descreveram quais alimentos foram consumidos, com a impossibilidade de coletá-los, e, por haver diversos pontos de alimentação no evento, não foi possível esclarecer em qual deles ocorreu o foco de intoxicações.

Confira as últimas notícias

Usamos cookies para melhorar sua experiência em nosso site. Ao navegar, concorda com nossa Política de Privacidade.